Nossos pedestais em 2014.

Ouça aqui o #MdSAoVivo

Quando começamos, 5 ao redor da mesa, microfones presos em caixas de cereais porque não tínhamos pedestais, nunca imaginávamos que uma gravação chegaria a ter quase 300 pessoas presentes: cerca de 20 no palco, mais umas 250 na plateia, mais equipe de áudio, fotografia, som… O melhor é que tudo começou como uma brincadeira no natal de 2014 e nunca deixou de ser, só que agora, muito maior, que chega a envolver empresas dispostas a pagar pelo nosso parque de diversões: o teatro. Gracias, Domino`s, Infinity Soluções em Turismo, Promov Empilhadeiras.

 

Bastidores

Antes de começar o AO VIVO, a fila se formava na porta do Teatro Henriqueta Brieba, na Tijuca, e nós, nos bastidores, ansiosos: Verinha em silêncio diante do espelho, Vinni concentrado com seu roupão vermelho, Nati no Tinder, Bianca Cincodê fazendo selfies, Chico chorando e o Dograum, bom, o Dograum de São Gonçalo sequer estava lá e só faltavam cinco minutos para que subíssemos no palco. A plateia já fazia barulho esperando começar. Nessa hora, Eric que não tinha sequer ensaiado a dinâmica do ao vivo, parecia ser a salvação. Ganhou a camisa e já recebia as instruções pra entrar no palco. Aí é que chega o Douglas. “Parecia a Copa de 98. O Ronaldo era o titular, misteriosamente apareceu o Edmundo escalado para a final e, em cima do lance, voltaram com o Ronaldo”, comparou o Roberto.

Fila para a entrada do #MdSAoVivo

Meus pais que ficariam com o Chico (meu filho de 1 ano e 4 meses), resolveram avisar, na hora que subíamos ao palco, que não era possível parar o choro do bebê sem a mãe. Resultado: a criança foi pro palco também, de surpresa, bem diferente do planejado no ensaio. Roberto e eu já estávamos à mesa de gravação, atrás da cortina. Os bastidores fervilhavam de questionamentos: quem abre a cortina, onde fica o Chico que tá chorando, por onde eu entro, por onde ele entra… Matheus Mad esquentou a plateia, com direito a menções a câncer no cu, empilhadeiras e poesias eróticas do Vinni. Pastor Arnaldo, nosso líder espiritual desde o episódio 37, fez a oração de abertura: “Eu peço a ti, meu pai, que abençoe esse podcast ao vivo, nesse caralho!” Pronto, estava abençoado. As cortinas se abriram.

Chico no palco.

Neste dia primeiro de setembro, a plateia não pode ser chamada de plateia. Era uma espécie de torcida organizada. Cada pessoa que entrava em cena, cada expressão conhecida, cada bordão, cada clichê, cada história repetida, o público fazia ecoar. Foi coro de jingle, coro de “Chico! Chico!”, coro de “Aaaaamilton” assim por diante. Em um episódio especial, a mesa era dinâmica, sempre com cinco participantes, se montando e se remontando, trazendo os membros mais tradicionais do Minuto, mas também convidados como Afonso Tresdê e Paulo Carvalho e, claro, com ouvintes sendo retirados da plateia para o palco. Em um show que flertou com o nonsense, os patrocinadores ocuparam um intervalo comercial maluco com direito à paródia de Gangnam Style versão empilhadeira, com distribuição de vouchers de pizzas para 25 pessoas e Vinni criando slogans eróticos para a Infinity Soluções em turismo.

Momento com os patrocinadores no palco.

Parecia que mal tinha começado e o show acabou. Uma hora e quarenta minutos de espetáculo e tive a impressão que ainda estava falando “beeeenfazejos irmãos”. A dinâmica que colocou fim às barreiras entre podcasters e ouvintes, a rotatividade frenética da mesa desembocou nos aprendizados do dia, que contaram com a plateia que se oferecia para dizer: “aprendi que é culpa da mitocôndria!”; “aprendi que é melhor ficar calado do que falar merda”, “aprendi como não se vestir no palco”. Quando a cortina se fechou, todos nós do Minuto tínhamos aprendido que era possível fazer mais que um podcast ao vivo, tínhamos aprendido que era possível transformar um podcast em um show, digno de um pequeno Maracanã. Enquanto os ouvintes comiam de graça mais pizza da Domino`s do lado de fora, nós respondíamos mentalmente aquela pergunta que foi feita durante todo o ano para qualquer podcaster do Brasil: “2017 é o ano do podcast?”, pois para nós, sim!

Final do show

Plateia aplaude ao show!

Pizza da Domino`s na saída.