Estava em dúvida sobre qual título atrairia mais leitores, se “Viadagens Bíblicas” ou “Vazam novas fotos de Jennifer Lawrence nua”. Como esta picuinha entre igrejas e gays está na moda e há tantos viados a ponto de mulheres nuas não atraírem mais, achei que o primeiro título daria mais certo. Como não quero ser acusado de propaganda enganosa, agora que já coloquei este título, pura e simplesmente para atrair leitores, terei que divagar sobre ele.

Respeito imensamente a Bíblia. Acho que é um dos mais invejáveis livros de ficção que já foram escritos. Afinal, que livro de ficção foi levado tão a sério e teve tantos leitores devotos que não fosse o Harry Potter? Nenhum! Quando digo ficção, algum leitor mais desatento e fervoroso já poderá ter começado a me espraguejar. Mas ficção está longe de ser algo menor que um documento. Pelo contrário, é muito maior. Quem, depois de mil anos, lê documentos? Mas a Ilíada e Odisseia estão aí, sendo lidas por todos que fazem faculdade de letras e se recusaram a ler o resumo na internet. O fato é que a Bíblia é um livro de interpretação, tanto que há várias religiões que surgiram dela. Apenas os fundamentalistas e dois primos meus lá de Campos acham que a Bíblia deve ser lida ao pé da letra. Estas são as pessoas que acham que o morcego é uma ave só porque está escrito em Levítico 11: 11-19.

Eu poderia apelar aqui neste texto dizendo que Jesus só andava com homens no meio do deserto, que eles usavam cabelos compridos, que andavam de vestidões etc. Mas tudo isto seria uma coisa demasiadamente preconceituosa, acusar alguém de viadagem por estas besteiras, é o tipo de coisa que só o Malafaia e o Marcos Feliciano seriam capazes de fazer. Eu quero, realmente, embasar a viadagem em fatos concretos que vão além destas aparências. Quero apresentar, por exemplo, um versículo que diz que Paulo ouviu Lady Gaga. Na falta dele, vou atrás de outros.

Você, leitor, se já teve namorada, noiva ou é casado, passou por uma situação como essa com sua parceira: “Você me ama?” E você diz: “amo!” E ela diz: “ama mesmo?” E você diz: “Claro que amo!” e depois ela pergunta novamente: “ama de verdade?  E você não entende que porcaria é essa. Explico: é amor de coito, pois nenhum outro amor permite isto. Pois veja como este comportamento de casal está representado lá na Bíblia em João 21:15-17 quando  Jesus e Simão Pedro ficam nesse joguinho e Jesus pergunta três vezes seguidas pra Pedro se ele o ama.

A igreja muito sapeca e se fazendo de tola, como uma falsa virgem, sempre gostou de jogos e metáforas viadísticas. Lembro que, durante muitos anos, frequentei uma igreja evangélica em Xerém e eles cantavam demasiadamente empolgados: “Jesus minha roxa!” Reparem que há uma cacofonia reveladora neste verso feito por alguém que se deliciava enquanto cantava-o aos berros. O mesmo prazer que se tem, nas igrejas neopentecostais, em chamar Jesus pelo codinome “O Noivo!”, sendo que a Igreja é “A Noiva!” Os católicos também são muito empenhados em exercer ocultamente seu viadismo: toda missa, o padre fala: “comei todos o corpo de Cristo!” Levando em conta que o canibalismo é crime, só resta-nos um sentido possível para entender esta expressão. Ou seja, a cada eucaristia os católicos comem Jesus e, enquanto isso, eles querem que Maria permaneça virgem pra sempre. Estas são as contradições típicas de uma igreja que insiste em colocar crianças para serem chamadas de coroinhas.

As bases da viadagem, entretanto, não estão no nosso Novo Testamento. É emprestada do judaísmo e vem desde que o mundo é mundo, afinal, existe um machismo viado em colocar a culpa na mulher e na serpente e, praticamente, redimir Adão. O grande exemplo de viadagem bíblica é a pouco divulgada relação entre Davi e Jônatas. E cabe lembrar que Davi é uma das figuras mais importantes do judaísmo e do cristianismo.  Destaco aqui passagens de uma viadagem incrível que seriam proibidas de entrar na igreja se fosse de um livro do Antônio Botto.

“E sucedeu que, acabando ele de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a alma de Davi; e Jônatas o amou, como à sua própria alma.
E Saul naquele dia o tomou, e não lhe permitiu que voltasse para casa de seu pai.
E Jônatas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma.
E Jônatas se despojou da capa que trazia sobre si, e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, e o seu arco, e o seu cinto
.” (1 Samuel 18:1-4)

E, indo-se o moço, levantou-se Davi do lado do sul, e lançou-se sobre o seu rosto em terra, e inclinou-se três vezes; e beijaram-se um ao outro, e choraram juntos, mas Davi chorou muito mais.” (1 Samuel 20:41)

Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; quão amabilíssimo me eras! Mais maravilhoso me era o teu amor do que o amor das mulheres.” (2 Samuel 1:26)

Para nos recuperarmos desta viadagem intensa, quero citar aqui agora belas e pueris viadagens de Cânticos e Provérbios, não é exatamente uma viadagem, é quase uma meinha, devido ao sua sutiliza bambesca, mas que soará bonitinha agora. Reparem que os autores dos textos gostam de comparar seus parceiros com gazelas e veados:

Vem depressa, amado meu, e faze-te semelhante ao gamo ou ao filho dos veados sobre os montes dos aromas”. (Cânticos 2: 14 )

Como cerva amorosa, e gazela graciosa, os seus seios te saciem todo o tempo; e pelo seu amor sejas atraído perpetuamente”. (Provérbios 5:19)
Citadas todas estas provas, fruto de uma exegese bíblica tão séria quanto as que são feitas pelo Vaticano ou pela Igreja de Lagoinha, cabe refletir sobre o principal versículo usado pela igreja para supostamente combater a viadagem:

Não te deitarás com um homem como se fosse uma mulher. Isto é abominação… Se um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável. Devem ser mortos. Seu sangue cairá sobre eles” (Lev. 18:22)

Reparem que o problema está em “um homem se deitar com outro homem, como se fosse uma mulher!” Ou seja, se um homem se deitar com outro homem, sem fantasiar, como se fosse um homem mesmo, aí sim, está permitida a viadagem. Essa era a deixa que Deus precisava lhes dar.

Agora, confirmada esta teoria que Jesus tenha sido, de fato, viado; Davi, viado; Pedro, viado. Os fiéis deixariam de levar em conta tudo que fizeram, todas as suas obras, só por causa da sua orientação sexual? Ah, Meu Deus, mais valia a pena termos montado uma religião com os fãs do Renato Russo, Cazuza e Freddie Mercury.

ATENÇÃO: APESAR DO USO DOS TERMOS “VIADAGEM”, “VIADO”, VIADISMO”, “VIADÍSTICO”, o autor desta obra científica não é viadofóbico, apenas quer que estes viados todos vão para uma igreja se curar. Opa, melhor não!

Sobre o autor

Cacofonias

Carioca do século passado. Pós-doutor em nada. Defensor de uma reforma ortográfica em que escrever errado seje certo. Usuário de piadas pesadas. Roteirista de humor. Pai do Borges, o gato. Host do Minuto de Silêncio.

Posts relacionados